interferência casamento
Michelle Branquinho

Michelle Branquinho

Como lidar com interferência da família no seu casamento?

O compromisso de um casamento envolve uma série de mudanças, adaptações e alterações naquilo que antes fazia parte da sua rotina diária. Pensando nisso, uma das mudanças mais significativas é a de passar a conviver com uma nova dinâmica familiar. Afinal, depois do “sim” dado ao seu parceiro (a), você passa a conviver com pessoas importantes para ele, e dessa forma, os seus compromissos mudam, assim como a lista de pessoas que “importam” antes de passar a tomar as suas decisões.

No entanto, apesar de ser esperado um nível de consideração e respeito, é preciso compreender que “limite” é a palavra-chave quando estamos falando sobre a interferência familiar no casamento. Respeito não significa ausência de opinião própria, assim como consideração e afeto não tornam obrigatória a postura de compartilhar cada detalhe da vida íntima do casal. A verdade é que com o casamento, nasce uma nova família e uma nova realidade que os “dois lados da moeda” precisam aceitar e compreender — o que deve se tornar mais fácil com o tempo.

Seu problema, nosso problema!

Antes de começarmos a listar as consequências da interferência familiar exagerada em casamentos e de entender os passos para lidar melhor com esse contexto, é preciso destacar que — ao se tratar de casamentos — não há como falar em lidar sozinho com esse tipo de conflito. O que quero dizer com isso? Por exemplo, se a mãe ou irmã do seu parceiro está ferindo seus sentimentos, ele não pode simplesmente deixar que vocês “se resolvam sozinhas”. O mesmo vale para situações em que o problema se dá entre seu parceiro e seus familiares.

Principais consequências das interferências familiares

Uma opinião ou conselhos — principalmente quando solicitados — são bem-vindos e realmente úteis para a vida do casal. Entretanto, a coisa “muda de figura” quando essas intromissões são constantes e muitas vezes, constrangedoras. O que acontece quando essas interferências se tornam comuns e infiltradas na vida a dois de um casal? Veja a seguir:

  • É perdida a oportunidade de ser construída a própria rotina e de uma dinâmica que faça sentido às necessidades e estilo de vida do casal;
  • Conflitos entre o próprio casal, que tenta equilibrar as necessidades do parceiro com a necessidade de nunca desagradar a própria família;
  • Sensação de falta de privacidade e desconfiança na estabilidade da relação;
  • Ambiente de competição, onde o que é visto é a necessidade de ser ouvida ou “escolhida” pelo parceiro ou filho (a) no caso dos pais;
  • Baixa autoestima, principalmente em mulheres que acabam por se sentir “insuficientes” para o seu parceiro ou para ser aceita no ambiente familiar;
  • Falta de independência para tomada de decisões e comprometimento do próprio espaço disponível para o amadurecimento e crescimento do casal;

Quais são as principais causas de conflitos?

Talvez, você nunca tenha tido um conflito direto com os familiares do seu parceiro. Mas, frequentemente, o que te incomoda se torna motivo de discussões dentro da sua rotina como casal. É aqui que mora o principal problema, já que o seu próprio relacionamento começa a sofrer os efeitos de ações e comportamentos vindos de terceiros. Abaixo, vamos ver alguns dos exemplos clássicos de interferência de familiares. Provavelmente, você irá se identificar com um dos pontos!

  • Pressão para ter filhos;
  • Pais que continuam a tratar seus filhos como crianças;
  • Opiniões sobre local de moradia ou rotina doméstica do casal;
  • Interferência na vida financeira;
  • Opiniões no modo de criação dos filhos;
  • A crença de que o parceiro (a) escolhido não é bom o suficiente;
  • Mudanças de crenças religiosas e/ou culturais;
  • Competição pela atenção do filho (a);

Dicas para lidar com a interferência dos familiares

Agora, quero apresentar algumas ações práticas que poderão te ajudar a lidar com esse problema sem que sejam criadas mais razões para conflitos. É interessante destacar que o respeito deve ser sempre mantido, mas sem que comprometa o seu posicionamento e firmeza ao comunicar os seus limites. Vejamos então algumas ações:

  • Independência financeira – Evite depender dos seus pais ou dos pais de seu parceiro (a) financeiramente, já que isso pode criar uma relação onde aparente que você deva algum tipo de explicação e “prestação de contas” das suas decisões como casal.
  • Diálogo honesto – Não fuja de conversas sinceras, tanto com o seu parceiro, quanto também com os familiares sempre que possível. Esclareça o que te incomoda, comunique seus limites e busque sempre chegar a um acordo em comum.
  • Mantenha uma distância saudável: É importante que o casal tenha tempo para desfrutarem juntos, como jantares e eventos familiares, mas também é vital para a saúde da relação do casal que seja mantido um espaço de privacidade para a sua própria família. No começo, pode ser difícil para os familiares entenderem alguns “nãos”, mas com o tempo, isso refletirá de maneira positiva no relacionamento como um todo.
  • Escolha o que irá compartilhar – Você deve escolher com sabedoria o que irá compartilhar da sua vida a dois com os seus pais e familiares, assim como também é esperado que o seu parceiro saiba respeitar detalhes da vida íntima do casal. Evite brigar em frente a outras pessoas, assim como críticas exageradas a pessoa com quem você se relaciona. Depois, “lados” serão tomados e será difícil lidar com as opiniões que você mesmo ajudou a construir por meio do que compartilhou.
  • Ganhe perspectiva – Pode ser uma tarefa difícil, mas assim como você também pode precisar admitir que a sua própria família tem problemas, é um exercício interessante considerar a cultura e o contexto da família do seu parceiro. Principalmente se você estiver no início do casamento, é necessário entender que pode levar um tempo para os ajustes serem feitos e a família do seu parceiro compreender que agora, nasce uma nova família, com novos costumes, valores e prioridades.

O fato é que quando o assunto é família, não existem fórmulas ou receitas secretas. No entanto, há sim ferramentas e comportamentos eficientes para tornar esses problemas mais leves e que ajudam você a se adaptar de maneira mais assertiva. Portanto, seja sempre claro em seus posicionamentos e sentimentos, não espere pela interpretação de terceiros, mas comunique suas necessidades!

Lembre-se que você e seu parceiro são um time, que precisam lidar com os problemas em conjunto — não importa de que “lado” da família estejam vindo os problemas. Além disso, mudanças não são construídas do dia para a noite, mas elas são possíveis.

Se você deseja ler mais dicas para o seu relacionamento e outros assuntos ligados à família, me acompanhe em meu Instagram @psimichellebranquinho.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Fale conosco pelo Whatsapp