afeto
Michelle Branquinho

Michelle Branquinho

Responsabilidade afetiva: você tem?

Você já viveu ou conhece alguém que teve um relacionamento, seja amoroso ou não, que gerou angústias e dúvidas? Sim, todos nós estamos sujeitos a isso quando o assunto é relacionamento, não é mesmo? Mas como lidar com situações de desprezo, irresponsabilidade, desamor e até mesmo desrespeito? O assunto deste artigo é: como ter mais responsabilidade afetiva com meu parceiro (a)? Aqui, pretendo abordar o real significado da responsabilidade afetiva, bem como algumas dicas que podem te ajudar a avaliar e a melhorar ainda mais as suas relações. Vamos lá?

Em primeiro lugar gostaria de destacar que esse assunto, embora muitas vezes não seja tema de estudos acadêmicos com tanta ênfase, tem o objetivo de despertar a necessidade para relacionamentos interpessoais mais respeitosos e saudáveis e sei que muita gente busca por isso!

Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, responsabilidade significa: “comportamento da pessoa sensata; sensatez. Natureza ou condição de responsável, de quem assume e cumpre suas obrigações”.

Essa definição está muito atrelada a busca por relacionamentos. Muitas pessoas não buscam apenas estar com alguém, mas querem de fato que o seu parceiro (a) assuma as responsabilidades do relacionamento e cumpra com tudo aquilo que foi acordado naquela aliança.

No entanto, o que vejo, inclusive nos meus atendimentos em meu consultório psicológico, são pessoas que sofreram inúmeras decepções com o seu companheiro (a), criaram grandes expectativas e acabaram com grandes problemas de relacionamentos. O resultado disso, muitas vezes pode ser desastroso, pois além de ferir a outra pessoa emocionalmente, pode inclusive gerar uma separação definitiva entre o casal, por exemplo.

É importante destacar que a responsabilidade afetiva não se limita apenas aos relacionamentos amorosos, pois ela deve pautar qualquer relação entre duas ou mais pessoas, sejam amigos, colegas de trabalho ou familiares, desde que se estabeleça um convívio de afetividade, sinceridade, ponderações, empatia e franqueza.

Mas, qual o conceito de responsabilidade afetiva?

Simples, ela diz respeito à honestidade e a transparência de uma relação. Significa ter responsabilidade pelo que é provocado no outro, ou seja, como você transmite os seus sentimentos para o outro com quem estabeleceu um vínculo.

Em outras palavras, a responsabilidade afetiva pressupõe o tratamento transparente com o outro. O que envolve cuidado, seriedade, verdade, o respeito e principalmente, a empatia.

Assim, a pessoa responsável afetivamente em um relacionamento deve agir com:

  • Ética;
  • Clareza;
  • Verdade;

A pessoa irresponsável, ao contrário, desenvolve comportamentos com base na:

  • Mentira;
  • Insensatez;
  • Negligência;
  • Controle de situações.

Vivemos em um tempo onde vemos pessoas facilmente invadindo o campo do egocentrismo — o que eu sinto, o que eu acho, o que eu sei — que muitas vezes prevalecem nos relacionamentos, assim, o respeito pelo sentimento do outro acaba ficando em segundo plano.

Um primeiro passo para desenvolver a responsabilidade afetiva é colocar-se no lugar daquele com quem você se importa, aqui é válido aquele velho e conhecido exercício: pense como você se sentiria se fosse com você. Imagine-se recebendo o mesmo tratamento.

Não existe uma fórmula mágica para isso, pois muitas vezes o bom senso, o equilíbrio e a prudência cabem no relacionamento. Mas, quero te ajudar nesse artigo a repensar sobre alguns tópicos que podem te ajudar a avaliar o seu comportamento e melhorar os seus relacionamentos. Confira os pontos a seguir:

  • Tenha autoconhecimento:

Saber quais são suas qualidades, seus desejos, ambições e limitações faz com que você tenha mais facilidade para controlar as emoções, definir objetivos e trilhar uma jornada de autorrealização. Assim, ter consciência de si mesmo é a primeira prática a ser seguida por quem deseja se responsabilizar por qualquer coisa na vida. Quanto mais você se doar e ter um relacionamento saudável consigo mesma, mais conseguirá levar isso para fora, compreendendo seus processos, suas ações e claro, aquilo que deseja.

  • Desenvolva a comunicação:

Sempre falo que a comunicação é um dos pilares para o desenvolvimento e a manutenção de um relacionamento saudável e no quesito da responsabilidade afetiva não é diferente. Por isso, seja claro naquilo que deseja ou sente pelo outro. Apenas dessa forma é possível entender onde os sentimentos de cada um se encontram e ponderar sobre as modificações necessárias.  Além disso, avalie como está a sua comunicação não-verbal em seu dia-a-dia, pois ela pode comunicar muito sobre aquilo que deseja de fato em seu relacionamento.

  • Fale sobre as suas insatisfações, medos e angústias:

Esse ponto está diretamente ao item anterior! Falar sobre aquilo que você discorda também compõe a responsabilidade afetiva, já que uma vez que a pessoa não se faz entender, o incômodo pode afetar o status da relação. O distanciamento que, muitas vezes, ocorre pode não ser compreendido pela outra pessoa, que sente uma mudança repentina no comportamento e não sabe de fato o que está acontecendo pela falta de comunicação.

  • Não seja individualista:

Essa característica se relaciona à capacidade de se reconhecer como unidade, ainda que integrada a um contexto maior. Um dos principais pontos para ter responsabilidade afetiva é evitar o individualismo em excesso (ou pensar exclusivamente em si o tempo todo), sem conseguir estabelecer empatia o suficiente pelo o que o outro sente. Estando em um relacionamento, não se trata apenas daquilo que você precisa. É sempre um caminho de mão dupla, onde se escuta, se comunica e claro, sempre se aprende.

 

Gostou desse conteúdo? Me conte como está a sua responsabilidade afetiva no meu Instagram @psimichellebranquinho.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Fale conosco pelo Whatsapp